Introdução a

Commission Model:

O Jardim do Hospital Hexham

“Eu tenho um sonho que ainda não se realizou; eu gostaria que os alunos não aprendessem só o que os seus professores lhes ensinam, mas que fossem pessoas que resolvessem problemas no mundo exterior trazidos pelos seus professores. O trabalho dos diretores das escolas deve ser sair para o mundo real e encontrar tarefas. Eu sonho com escolas que trabalham com tarefas reais, em vez de aprender sobre as coisas em sala de aula ... Esta é realmente uma forma radical de aprender, eu quero que os alunos sejam cidadãos do mundo. O Commission Model traz o Mantle of the Expert para o mundo real.“– Dorothy Heathcote

(Özen / Adıgüzel 2010)

heathcote 2.jpg

No Commission Model, uma encomenda real de um cliente – como o projeto para a construção de um jardim de um hospital – é a base para uma estratégia de ensino que conjuga dois aspetos: aprender em conjunto e participação efetiva na sociedade.

 

A estratégia foi desenvolvida por Dorothy Heathcote. Nesta introdução, descrevemos o trabalho de Dorothy numa "Comissão” (grupo de trabalho) e também delineamos as suas duas "categorias" de encomendas.

 

Este Guia para o Commission Model foi produzido no âmbito de um projeto Erasmus+ com parceiros da UE.

Em 2003, Dorothy escreveu:

 

Há um ano atrás, o Sr. Forsey, representando a Autoridade de Saúde de Northumbria, que atualmente está a construir um novo hospital do NHS em Hexham, abordou Diane Harris, vice-diretora de uma escola de ensino secundário, Queen Elizabeth High School. Forsey propôs que os alunos da escola fossem responsáveis ​​por projetar o jardim do hospital para ser usado por pacientes, funcionários e visitantes, quando a obra estivesse concluída em 2004.

Assim, tive a oportunidade de experimentar uma estratégia de ensino que chamei de Commission Model. O Commission Model proporciona aos alunos que desenvolvam um sentido de autenticidade e responsabilidade, pois terão de satisfazer as necessidades específicas dos clientes. O resultado final deve então ser “publicado” na forma que os membros da Comissão decidirem. (Heathcote, 2003)

 

Para responder à proposta em questão envolveu-se uma equipa de nove professores com diferentes competências e contributos; eram professores de Psicologia, Drama e Teatro, Inglês, Biologia, Culturas Clássicas, Geografia e Educação Física. Participaram 34 alunos voluntários do 9º ano com competências heterogéneas.

O “currículo” surgiu da própria encomenda – a equipa decidiu sobre o que precisaria saber, pesquisar, definir, para cumprir a tarefa: a biologia do crescimento das plantas, a criação de um modelo em escala, a leitura dos planos do hospital, etc.

 

É assim que Dorothy descreve a forma como a equipa funcionava quando se reunia:

 

Trabalhávamos na sala de teatro, usando mesas e cadeiras e quadros pretos nas paredes. Os nossos equipamentos eram os habituais papéis, canetas, cartão e estojos de lápis dos alunos, além do púlpito, caixa de fantasias e luzes, com acesso ao laboratório de Biologia e sala de Informática, sempre que possível. Essas, então, eram as condições. (Heathcote, 2003)

 

Para saber como Dorothy integrou o drama a essa comissão da “vida real”, veja aquiFinalmente, a equipa partilhou os seus planos do jardim com o comité hospitalar formado por médicos seniores e engenheiros locais. O arquiteto paisagista do jardim, John Goodfellow, afirmou que o conceito de design final se baseou fortemente no trabalho realizado pelas crianças.

QE-Garden-comp-1-8_page-0001.jpg

Gibby Raine trabalhou com Dorothy Heathcote no projeto. Isso é o que ela diz sobre a experiência:

 

Fiz parte do projeto de pesquisa de DH para o Modelo de Comissão e vi por mim mesmo como o trabalho foi transformador ao mudar o papel da criança na sala de aula e o impacto positivo que teve em seu aprendizado e em suas habilidades sociais. Nosso projeto envolveu o desenho de um jardim para o novo hospital que estava sendo construído em nossa comunidade. DH liderou o trabalho e Gavin Bolton registrou.

Parecia que ela havia me mostrado como ajudar os alunos a fazerem um sulco; difícil no início, demorado, mas, em última análise, libertador para eles e para mim como professor. Uma vez que eles estavam fora, não havia como impedi-los. Observei crianças que se viam como "aprendizes lentas" crescerem em confiança, e algumas que estavam acostumadas a navegar começaram a praticar diferentes formas de pensar que as entusiasmavam.

 

O melhor de tudo é que àqueles que tendiam a não ser notados foram oferecidas estruturas e papéis que lhes permitiram reposicionar-se no grupo para o benefício de todos.

Eu era um professor iniciante que se sentia inicialmente frustrado com seus métodos. Parecia que ela estava reinventando a roda. Então a ficha caiu. Isso é exatamente o que ela estava fazendo. Logo percebi que o que eu estava ensinando era uma matéria e que ela estava me mostrando como ensinar as pessoas - a rede de ensino era tão importante quanto os recursos físicos. O professor deve estar preparado para se tornar um aluno / colega.

QE-Garden-comp-1-8_page-0003.jpg

Aí está a oportunidade de oferecer uma experiência de aprendizagem integrada que parece parte do mundo em que os alunos precisam operar quando saem da escola.

 

Matemática, ciência, arte, música, línguas; todos os domínios podem ser disponibilizados a todos e é oferecido um contexto que faz com que todos sintam que têm integridade e são uma pequena, mas inestimável, parte do quadro geral.

 

Gibby nos deu um livreto produzido para o projeto que inclui notas manuscritas de Dorothy e exemplos de trabalhos de alunos. A capa afirma:

 

... fora do antigo jardim, um futuro crescente ... começou na Queen Elizabeth High School, Hexham, para servir a todos que podem usá-lo ...

Tipos de encomenda

 

“Existem literalmente milhares de encomendas esperando para serem assumidas para que as escolas e a comunidade se tornem cada vez mais interdependentes.” (Dorothy Heathcote)

 

Dorothy prevê dois tipos de encomendas que as escolas podem assumir: dentro da escola e da comunidade.

 

1. ENCOMENDAS DENTRO DA ESCOLA

 

São encomendas inventadas por professores para responder aos objetivos específicos do currículo e que não implicam trabalhar com elementos externos. Este é o exemplo de Dorothy:

 

Uma encomenda simples pode ser um pedido de um tapete, feito por recorte ou colagem, para ser usado em uma sala de berçário. Esta teria de ser proposta, de uma forma realista e verossímil, a um grupo de crianças que precisam aprender a medir, de desenvolver vocabulário, bem como competências de partilha e colaboração. ... Não é preciso muita imaginação para ver como esta encomenda produzirá um trabalho que responde ao currículo, nomeadamente ao nível dos números, da medição com precisão, projetando texturas, desenhando ... [etc.]. (Heathcote, 2015)

 

2. ENCOMENDAS DA COMUNIDADE

 

Grupos e organizações da comunidade atuam como clientes, de que são exemplos: museus, instituições de solidariedade social, bibliotecas, empresas, etc. Aqui está um exemplo:

 

… um pedaço de terreno abandonado foi transformado quando um diretor de uma escola, deslocando-se no seu carro… viu o local como uma possível área de recreação onde nada existia. … Esta área é agora um parque infantil e jardim de baixa manutenção com bancos, construídos com contributos dos moradores e dos jardineiros, além de uma área para passear cães e de caixotes de lixo para os seus dejetos. … Existem muitos exemplos de quem se apercebe de uma necessidade num determinado espaço e dessa forma contribui para a mudança com base nas ideias e recursos locais. (Heathcote, 2015)

 

Para Dorothy, um balão de ar quente ilustra melhor o Commission Model:

 

“A cesta dá suporte à energia humana que produz a força para sustentar e guiar o balão (a encomenda). Ela contém e limita, mas claramente define os parâmetros da resposta à encomenda. As cordas que sustentam a cesta até ao envelope do balão são as capacidades, o conhecimento e a convicção que impulsionam o processo em direção à sua conclusão. São muitas e variadas as cordas que são criadas e terminam no envelope do balão, conduzindo o trabalho até à sua conclusão.” (Heathcote, 2015)

hot air balloon.png
Erasmus Plus.png

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Heathcote, Dorothy (2003). A Vision Possible: The Commission Model of Teaching. Drama: One Forum, Many Voices. 11 (1).

Heathcote, Dorothy (2015). Contexts for Active Learning: Four models to Forge Links Between Schooling and Society. Presented at the NATD conference, 2002. In Cecily O'Neill (ed.). Dorothy Heathcote on Education and Drama: Essential Writings. London/New York: Routledge.

Özen, Zeki & Adıgüzel, Ömer (2010). Dorothy Heathcote’s Creative Drama Approaches (Dorothy Heathcote’un Yaratıcı Drama Yaklaşımları). Creative Drama Journal. 5 (9-10).