Passos para um Commission Model: David Allen

Como parte da nossa Semana de Formação para o projeto Erasmus+, trabalhamos em equipa na planificação de uma sessão para uma turma de crianças do 4º ano na Woodrow First School. A sessão foi conduzida por David Allen do Midland Actors Theatre (Reino Unido). Foi baseada numa encomenda que David havia assumido anteriormente com uma turma noutra escola, em conjunto com o Black Country Living Museum. A turma foi convidada pelo museu para planear um jardim de plantas medicinais para as traseiras da Farmácia de Emile Doo. (Você pode descobrir mais sobre esta comissão aqui.)

Doo 1.jpg
Doo's Chemists.jpg

A Farmácia é uma reconstituição de uma loja real com acessórios e produtos da década de 1920.

Abaixo, fotos de antes e depois, mostrando como o jardim foi transformado com a ajuda do design infantil.

 

Na nossa sessão na Woodrow School, usámos a mesma ideia: pedimos às crianças que apresentassem ideias para um jardim de plantas medicinais nas traseiras da Farmácia do Sr. Doo e, como primeiro passo, descobrir o máximo que pudessem sobre o Sr. Doo e a sua loja.

doo 2.jpg
Doo's Chemist 2.jpg

A equipa criou uma réplica da loja e do jardim na sala de aula, para as crianças explorarem.

Doo's Chemist replica 2.jpg
Doo's Chemist replica 4.jpg
Doo's Chemist replica.jpg

Na planificação da sessão, usámos as “33 Convenções para Ação Dramática” de Dorothy Heathcote. Essas convenções eram baseadas na prática teatral, mas projetadas por Dorothy para uso em sala de aula.

Você pode encontrar a lista de convenções clicando aqui.

 

As convenções de Dorothy podem ser usadas no trabalho do Mantle e no Commission Model, bem como em Rolling Role.

 

É uma forma de introduzir métodos da ação dramática dentro do Commission Model, num contexto "não ficcional”.

Uma convenção que usámos foi a n.º 3 na lista de Dorothy:

 

Convenção n.º 3. O papel presente como em "estátua". Pode ser falado, expressar-se pelo movimento e até mesmo talhado de novo, se assim estipulado.

 

No nosso caso, apresentámos as estátuas como “fotografias” de pessoas que conheceram Emile Doo. Em seguida, usámos a convenção n.º 2:

 

Convenção n.º 2. O papel presente na realidade, exceto ser representado como num filme. Ou seja, as pessoas têm permissão para olhar, mas não para se intrometer. O “filme” pode ser interrompido e reiniciado ou executado novamente.

 

As crianças puderam dar vida às “fotografias”, apertando um botão (imaginário), e observar o que aconteceu – como se estivessem assistindo a um filme.

Using conventions 2.jpg

Em cada “filme”, o “papel” realizou certas ações e falou algumas palavras sobre o Sr. Doo.

 

As crianças não podiam fazer perguntas ou interagir com o “papel”, mas podiam assistir ao mesmo “filme” várias vezes, à medida que faziam anotações. Os vídeos mostram trechos da sessão na Woodrow School.